I

A VOZ DE ITIÚBA

 

 

Max Brandão Cirne

 

 

       

Itiúba do nosso tempo era cheia de coisas boas e inesquecíveis a exemplo do SERVIÇO DE ALTO FALANTES – A VOZ DE ITIÚBA.
       

Funcionava num sobrado antigo. Seu acesso se dava através de uma escada de madeira, íngreme, franqueada ao público, fosse qual fosse a idade, durante todas as horas do dia. Velho, moço e até criança podia adentrar as suas portas, sem segredos, para ver, na cabina do locutor, o manuseio dos discos 78 rotações por minuto, verdadeiras preciosidades da RCA Victor, as músicas chorosas, mas sempre atualizadas.
       

O tempo teima em retirar o me direito de pensar e relembrar os dias idos. Porém, lembro-me de dois ou três locutores, sendo um o Fernando Pinto de Carvalho, o outro, salvo engano, seu irmão Hugo Pinto de Carvalho, este,o moço de cabelos negros e impecáveis, aquele topete chamado, no tempo, “maracanã”, ostentantivo e chamativo, verdadeira obra da natureza em matéria de cabelo, caprichosamente cuidados, fosse a que hora do dia, como se o Huguinho, apelido carinhoso do moço,  só tivesse tempo para cuidar e pentear as suas madeixas, e o outro que o cérebro me permite, era o Isnar Barbosa, muito amigo dos irmãos Carvalho.
        

Pensávamos que o serviço pertencesse ao Humberto Pinto de Carvalho, então irmão dos dois citados locutores. Anúncios, os mais variados, notícias de aniversários, de viagens quem chegou quem partiu quem morreu, ofertas de lojas e serviços eram anunciadas pelos estabelecimentos durante todo o dia.

O ponto mais alto era o anúncio dos óbitos. Parece que os irmãos Carvalho retiravam muito da sua fonte de renda daí, já que, a morte sempre foi uma tremenda vendedora. Durante as noites havia bailes com rapazes e moças selecionadas. Mas não era uma coisa proibida se alguém lá chegasse e dançasse.
     
Durante certo tempo enquanto minha escola, a Goes Calmon estava passando por reformas, estudei muitos meses com a professora Ligia Carvalho. Bons tempos em que o Serviço de alto Falantes a Voz de Itiúba vendia desde pentes a brilhantina e vaselina perfumadas. E, quem não usou a indefectível vaselina e a brilhantina?
      
Bons tempos, Inesquecíveis tempos.

 

 



 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com