I

A RISADA DO PEROCI

 

 

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

     

Até a década de 1960, era razoável o número de jovens itiubenses que estudavam em Salvador, e quando retornavam durante as férias de fim de ano a cidade ficava mais movimentada e mais alegre, e era motivo para promover festinhas na Rádio Cultural, no Grêmio e no tradicional Clube Dois de Julho e participar da seleção de futebol da localidade.

Porém, quem chamava mais a atenção era o nosso amigo PEROCI filho de Dona Nazinha, itiubense proprietária de um pensionato próximo a Estação da Calçada em Salvador. O moço não dançava nem jogava futebol  mas criou um tipo de risada que mais parecia um berro, e fazia questão de "encená-la"  todas as noites pelas ruas, jardins e nas imediações da balaústra do velho Tanque da Nação, despertando a curiosidade e perturbando todo mundo. É bem verdade que ficou famosa a tal risada, mas odiada também, principalmente pelos moradores da Avenida Getúlio Vargas como D. Iaiá da Pensão Vitória, que chegava até ameaçar chamar a policia alegando que seus “urros” estavam incomodando seus hóspedes.

Hoje com seus 77 anos (safenado),  coincidentemente morando no mesmo bairro em que eu moro em Feira de Santana, sempre nos encontramos e conversamos sobre os bons tempos de adolescentes na  velha e querida Itiúba. Concordamos que não dá para esquecer.

 

 

 

 



 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com