I

ITIÚBA E A CULTURA QUE NÃO VINGOU

Max Brandão Cirne

 

 

     

 

Pouca gente, em aqui falando, se ler, certamente não dará credibilidade ao escrito, muito menos ao escrevinhador o que revelará. Quando se fala em cultura devemos estabelecer a dicotomia que dela se faz, dividindo-a em cultura no sentido das práticas de cidades e comunidades e cultura no sentido acadêmico, portanto, nas suas diversas acepções.
    
E aqui quero e desejo exatamente fazer referencia à cultura acadêmica, dizendo que o primeiro Teatro que adentrei em vida, foi lá, exatamente lá, na velha, distante e esquecida Itiúba dos nossos tempos. Não me recordo de muita coisa, pois era garoto, mas tenho recordação das suas paredes azuis, e, luxo dos luxos, o teatro se compunha  de galeria,e, tenho a lembrança até de uma certa senhora que era atriz amadora, falecida muito recentemente.
   
Recordo-me que as funções eram levadas a efeito durante os sábados. No tempo, salvo engano e recordação, não existia, ainda, o Cinema do Bertinho que ficava na Rua principal em prédio alugado ao senhor João Simões vendedor de pães, parece-me que tio do nosso amigo e falecido Valmir Simões e que, recentemente nos deixou para viver em outro mundo.   

Pois é, em Itiúba assistíamos a teatro fino e não era essa coisa estilizada e pedante além de boçal, para não falar elitizada e distanciada do povo e que, além do mais obriga as pessoas a lerem críticas, a se certificarem dos amigos se vale a pena realmente comparecer para assistir a certas peças de gostos terríveis e duvidosas.
    
Crescemos vendo o belo teatro que então se praticava e era barato, porém muito instrutivo. Parece que a vida cultural e acadêmica está se findando nos sertões. Que pena!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com