I

PONTA-CABEÇA

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

  
 

Eram muitas as brincadeiras praticadas pela criançada alegre e saudável da cidade, porém uma chamava mais atenção até porque era a mais difícil de praticar. Era a chamada caminhada de ponta-cabeça, onde as mãos e não os pés é que eram utilizadas para se locomover.

 

Muitas crianças tentavam a difícil brincadeira querendo se movimentar de pernas para o ar e de cabeça para baixo, mas não conseguiam. O único capaz de tal façanha era o nosso amigo SOUZA do Pedrinho cabeleireiro. O moço se equilibrava de mãos no chão e pés para cima o tempo que queria e ainda andava para frente e para trás na distância que lhe pedissem, num verdadeiro número circense gratuito.

 

E olha que eu até tentei várias vezes, mas confesso que fui um fracasso na tal brincadeira, e para complicar ainda ficava tonto com a ca.beça para baixo.

 

 

 

 

                                                                                                    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com