I

UM FILÓSOFO CHAMADO BANDUCA

Max Brandão Cirne

 

 

  
 

O sujeito nasceu, cresceu e se casou em Itiúba. Conheço-o desde muito jovem. Não que a diferença seja lá muito grande. Calmo, uma ilha de indiferença e paciência é como se pode descrever o Banduca, velho Banduca de guerra. Sujeito calmo e pacífico nunca ninguém o viu zangado, cabisbaixo ou mal humorado. É um ser extragaláctico. Pertence a uma família tradicional de Itiúba sendo filho do patriarca e saudoso “JOVEM”sobre o qual já escreve no blog, que resolveu nos deixar em saudade e memória já faz um tempinho.
        

Banduca foi comerciante sempre com aquele sorriso fácil, embora meio forçado, mas, afável e educadíssimo, bigodinho fino e barba espantosamente feita diariamente na sua paciência de Job, certamente demorando-se umas duas ou mais horas para escanhoar, próprio mesmo da família Carvalho. É irmão do Bertinho, do Fernando, do Huguinho e do Wilton que não vejo esse, faz mais de cinquenta anos. Mas não traio dizendo a idade de ninguém.
      

O Banduca ao que se sabe, jamais deixou a cidade. Assisti ao seu casamento com muita farra e a mocidade desbragada fazendo as gozações. Sua esposa é minha colega na qualidade de professora. Banduca é um desses seres raros que atravessam o mundo sem um inimigo, sem se queixar sequer das dores nos calos e nem de dentes doloridos. Um sujeito espantosamente, e escandalosamente, e, além de  fantasticamente filosófico incapaz de ofender a quem quer que seja.
         

Merece uma estátua na praça central. Viva o Banduca. Ele merece.
         

Viva o Banduca!

 

 

                                                                                                    

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com