I

1957 0 ANO EM QUE O CIRCO DO PEDRO CORUJA SACUDIU ITIÚBA

Egnaldo Paixão

 

 

  
 

 

 

 

Não lembro lonas e arquibancadas.
Não lembro palco e o que nele rolava.

Não lembro elefante, macaco,
globo da morte, cães amestrados...

Não lembro mágicos,
com suas cores azúis e topázios.

Não lembro trapezistas, malabaristas.
Não lembro nem se no circo havia contorcionistas.

Lembro do palhaço Pascolino,
o melhor do meu mundo de menino.

Da bailarina Maria Pureza, 
morena de bem distribuída beleza.

E da rumba Siboney, 
que a Maria dançava e que eu não... 
nunca, nunca mais esquecerei.

 

 Nota do site:
Sobre o mesmo assunto leia também:

- O Circo do Pedro Coruja - Fernando Pinto de Carvalho
 - Maria Pureza - Egnaldo Paixão

 

 

                                                                                                

                                                                                             

 

                                                                                                    

 

 

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com