I

MELANCIAS E OUTRAS FRUTAS

Humberto Pinto de Carvalho

 

 

 
Relendo as narrativas do Portal itiuba.info - tão bem cuidado pelo Fernando, não encontrei uma só referência sobre as frutas da minha infância, em especial as melancias com formato comprido na cor “rajada” - uma mistura de verde claro e branco.

Era a melancia preferida e a mais vendida nas feiras livres do sertão e que foram substituídas pelas conhecidas como “japonesas”, redondinhas com gosto de chuchu.

Outras frutas desapareceram do mercado. Uma é o mamão da Índia – grande e com pouca semente. Quando é procurado a resposta é uma só: sumiu. Quando aparece é uma imitação pequena e com gosto duvidoso.

-Jabuticaba, laranja de umbigo, banana-maranhão e nanica, quase ninguém fala e muitos desconhecem esses nomes.

Creio não existir motivo plausível, que justifique essas perdas. Posso atribuir aos desmatamentos e/ou a mão de obra dispendiosa para se manter um sítio nas pequenas propriedades rurais. Certo é que todos os sabores e aromas dessas frutas, que nutriam as crianças da minha época, se perderam na roda que move o progresso.

Itiúba produzia diversos tipos de bananas e chegou a ostentar o título de “Terra da Banana”.  Lembro que, no final de cada feira, os cachos não vendidos eram espalhados pelo chão em montes chamados “XEPAS”. Que nada mais eram que uma sábia decisão dos produtores para não levar de volta as sobras para casa. Havia até a expressão “a preço de banana” como o equivalente as coisas baratas.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                      
Depois de 3 anos lutando contra as secas que castiga sempre nossa região com prejuízos incalculáveis, é chegado o momento para se desprezar os paliativos adotados com nome pomposo de “Medidas Emergenciais do Governo”. Itiúba e os demais município do Polígono das Secas necessitam de planejamento e não de caminhão pipa e esmolas. Sertanejos, como afirmou Euclides da Cunha há um século, é antes de tudo um forte. Razão para nós nordestinos exigirmos dos gestores públicos medidas permanentes para esta realidade nua e crua. 

 

 

 

                                                                                                

                                                                                             

 

                                                                                                    

 

 

 

 

 

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com