O Zezinho Cego

Valmir Simões

 

 

Conheci em Itiúba um senhor chamado Zezinho, pessoa engraçada que discutia política, economia e sabia de tudo. Exercia a profissão de mecânico de máquinas-de-costura Elgin e Singer. Consertava, também, as famosas lâmpadas a querosene chamadas de Petromax, que tanto serviam aos seus donos na falta de energia elétrica.


Ele foi acometido de uma doença nos olhos e ficou completamente cego. Mas não desanimou, continuou exercendo a sua profissão, com muito mais afinco, e isto despertava a curiosidade das pessoas que se perguntavam:

– Como um cego consegue continuar trabalhando como mecânico de máquinas e de Petromax?

Depois que ficou cego, entretanto, ele ficou bastante curioso e quando passava perto das pessoas que estavam conversando tinha a mania de diminuir os passos e, de mansinho, aguçar a audição para ouvir a conversa. Algumas pessoas, sabendo disso, quando viam ele se aproximando devagarzinho, costumavam, de propósito, inventar “histórias” mentirosas sobre pessoas da cidade, pois sabiam que mais tarde o Zezinho iria contar aquelas “histórias” em vários lugares.

 

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com