Minha terra tem trinta e cinco mil olhares,
não tem palmeiras e os sabiás fugiram...

Minha terra tem trinta e cinco mil vozes
com diferentes estágios e timbres.

Minha terra tem muitas outras coisas,
algumas nominadas outras inominadas.

Tem trinta e cinco mil rostos minha terra,
mas não tem sequer a sombra de uma palmeira!

Teve, outrora, minha terra ouricuri,
margens de rios, água de mais longe sumir...

Teve, minha terra, outrora, sabiás...
outras aves protegidas por encantos.

Ainda restam trinta e cinco mil olhares e timbres
e vozes e estágios e sombras sobre si perdidas.

E ninguém para
dizer: te livras, Itiúba!
Amanhã já será
tarde.