Os Doces de Dona Djanira

Valmir Simões

 

 

Existia em Itiúba uma senhora, viúva, bem conceituada na cidade e muito caridosa. O seu falecido esposo a deixou bem de vida, mas ela nunca abandonou o hábito de fazer doces para vender na cidade.


Eu a conheci pessoalmente e apreciava, como todos os Itiubenses, os saborosos doces de leite em calda que vinham em uns copinhos com um pequeno papel em cima para preservar a higiene, as cocadinhas, puxas, doces de leite em corte etc.Tudo era acondicionado em um tabuleiro fechado, com visor de vidro e que era carregado na cabeça do vendedor em cima de uma rodilha de pano. Por onde o vendedor passava era vendagem garantida. Não consigo me lembrar por quanto era vendida cada unidade em razão de tanta mudança da moeda.

Conheci várias pessoas que venderam os famosos doces de “Dona” Djanira Pitanga. Às vezes, quando o vendedor se deparava de uma só vez com uma grande quantidade de fregueses, tinha dificuldade para saber quantos doces cada um pegava e sempre nessas horas apareciam os espertos para dar o golpe.

Só sei que enquanto a boa senhora teve forças nunca deixou de fazer os deliciosos doces.

 

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com