Telegrama Confuso

Valmir Simões

 

 

O transporte ferroviário em Itiúba, naquele tempo, contribuía para um grande desenvolvimento da cidade. A linha férrea ligava Salvador a Juazeiro. Tanto vinham mercadorias de Salvador como iam de Itiúba para lá. O trem chamado de “arrecadação” levava galinhas, ovos, frutas, pássaros, cágados e uma infinidade de produtos, inclusive as tão conhecidas cestas feitas de palha de ouricuri e enfeitadas de papel celofone de diversas cores, que eram, na verdade, o artesanato mais tradicional da cidade.


As mercadorias quando chegavam a Salvador tinham um destino certo: a feira de Água de Meninos, próxima à Estação da Calçada.

Um conhecido comerciante que tinha um grande tirocínio comercial, mas pecava horrivelmente no português e na colocação das palavras, encontrou-se com um amigo na feira de Água de Meninos. Ele tinha chegado naquele dia de Itiúba e falou que na cidade e em toda a região estava chovendo muito. O comerciante ficou muito preocupado com a notícia e passou um telegrama para a esposa com o seguinte texto:
“Rosa minha mulher. Cágado infusou. Ovo baixou. Colocarei cabeça vermelha. Limpe o rego de cima e quando eu chegar limpo o de baixo.”
Tradução:
Rego = Vala, local junto as paredes externas das casas para facilitar o escoamento das águas
Infusou = Sobrou, ficou sem vender
Baixou = Caiu o preço
Colocarei = Venderei
Cabeça Vermelha = Um pássaro chamado cardeal, muito vendido nas feiras livres da região e que tem a penugem cinza e a cabeça vermelha.

 

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS ENGRAÇADAS

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com