As Sete Casas

Fernando Pinto de Carvalho

 

 

A vila que inicialmente recebeu o nome de Conjunto São José e depois passou a ser chamada pelo povo de “Sete Casas” foi construída no início da década 40 pelo Sr. José Cruz, homem culto, proprietário de uma das melhores lojas da cidade e que tinha pendor para construtor. Ele construiu além das “Sete Casas” um prédio chamado de “São Vicente”, nas proximidades da Laje Grande, que tinha a finalidade de abrigar moradores de rua da própria cidade ou que por lá passavam e ainda chefiou as obras da reforma da Igreja Católica. As “Sete Casas” também foram construídas com o intuito de beneficiar as classes mais pobres, pois o seu proprietário pretendia cobrar aluguéis pequenos, condizentes com a diminuta área das pequenas habitações. Foi construído, também, um enorme tanque de cimento e pedras para receber as águas da chuva que caiam nos telhados e que para lá eram conduzidas por uma rede de bicas e canos. A água era vendida por lata (de querosene com capacidade para 20 litros ) não só às pessoas que moravam no próprio conjunto como também a qualquer habitante da cidade que necessitasse de uma excelente água para beber.


Originalmente a vila tinha apenas sete casas (daí o seu nome), mas algum tempo depois foram construídos locais para teatro e bar e uma nova rua com casas maiores que ficavam nas proximidades do Posto de Saúde, onde o próprio proprietário da vila chegou a morar.

Pessoas que procuravam o clima saudável de Itiúba para a cura de suas doenças moraram na vila.

Muitos anos depois o local se transformou em zona de prostituição, o projeto do teatro não deu certo, o local passou a ser uma marcenaria e o bar virou a “boate” do meretrício. A transformação do lugar modificou também as áreas próximas e surgiu o Beco da Faca que era um local perigoso, principalmente aos sábados, quando havia muitas brigas onde os rivais se enfrentavam usando facas e facões.

O auge do local aconteceu na época da construção do Açude de Camandaroba porque havia muitos homens trabalhando lá e que ganhavam relativamente bem. Nessa época chegaram para lá mulheres de toda região.

Com o tempo o meretrício foi decaindo e mudou-se para os bairros do Calumbi e do Cachorro Pelado e as casinhas da vila voltaram a ser alugadas às famílias de rendas menores.

 

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com