Escola Goes Calmon 3

Valmir Simões

 

 

A Escola Góes Calmon sempre proporcionou um ensino de qualidade, na época. Lá cursei o primário e ainda tenho na lembrança os bons momentos que ali passei. Apenas um portão de ferro separava a entrada da minha casa do prédio da escola.


Logo pela manhã, antes das turmas de alunos entrarem nas salas de aula a bandeira brasileira era hasteada e o hino nacional cantado por todos, com as presenças dos professores do turno.

Fazia parte do material escolar: lápis com borracha, tabuada, caneta com pena para uso em tinteiro, cadernos, copo plástico, pedra (era um quadrado de madeira com uma lamina de pedra que era usado com um tipo de lápis do mesmo material, com uso mais adequado para contas de matemática-aritmética). As professoras eram muito dedicadas, inteligentes, zelosas e com um amor muito grande para com seus alunos, podendo aqui mencionar: Hilda, Celina, Francina, Ligia, Avany e outras que no momento não me lembro. A saudade é muito grande daquele tempo.

Certa vez apareceram uns espelhinhos que alguns alunos, (inclusive eu) usavam preso junto ao cadarço do sapato e quando viam algumas colegas conversando, esticavam o pé para observá-las através do espelho, pois elas usavam saias e isso despertava a nossa curiosidade (coisa de homem). Achei de uma vez colocar o tal espelho para observação, mas a menina desconfiou e saiu correndo atrás de mim e como não pode me alcançar jogou uma pedra que acertou em cheio a minha cabeça e fez um estrago e até hoje eu ainda carrego a cicatriz.

As grades do prédio eram de ferro com afiadas lanças e certo dia o Jackson Teixeira ou foi mexer com alguma menina ou ver o trem e ao descer da grade, ficou pendurado pela axila transpassada pela lança da grade. Alunos e professores desmaiaram quando viram aquela cena que jamais vou esquecer. Graças a Deus, após muitos cuidados médicos, o amigo ficou curado e sem sequelas

 

SOBRE AS ESCOLAS DE ITIÚBA LEIA TAMBÉM:

- A ESCOLA GOES CALMON II (pág.74) - Ivan de Carvalho
- ESCOLA GOES CALMON 3 (pág.141) - Valmir Simões
- A ESCOLA DE DATILOGRAFIA (pág.111) - Valmir Simões
- A PROVA DOS NOVES (pág. 99) - Valmir Simões
- O SÁBIO QUITU (pág.80) - Ivan de Carvalho

 

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com