Cabudo

Humberto Carvalho

 

 

Quando meninos afloramos curiosidades por todos os lados. Conheci o Cabudo no armazém do Nino Pires . Certamente eram grandes amigos.

Desconheço o motivo do apelido. Seu nome verdadeiro era Antônio. Todos em Itiúba o chamavam de Cabudo e assim ele atendia, sem demonstrar qualquer zanga. O Nino não gostava e não gosta até hoje de beber, mas aturava a bebedeira. Por razões desconhecidas o Cabudo bebia e, em muitas ocasiões, praticava alguns desatinos que o seu amigo não aprovava. Discutiam, ficavam dias sem conversar um com outro. Voltavam às boas e tudo recomeçava com juras do Cabudo de que não beberia nunca mais. Acredito que o Nino cansou. Ou quem sabe resolveu ajudar de uma outra maneira. Arranjava trabalho e quando faltava qualquer coisa para a família do amigo, lá estava ele para suprir.


O tempo corria e o Cabudo na dele. Muita “cana” e pouca conversa. Muitas promessas e nenhuma cumprida. Desesperado e sem ganhar o sustento da família, o Cabudo passou a beber todos os dias. Quando não aguentava mais ficar em pé, aos troncos e barrancos, conseguia chegar ao armazém do Nino.

Como e quem teve a notável ideia não me cabe revelar. Aconteceu que, num belo dia, o nosso personagem caiu por trás dos sacos de mamona e por lá ficou até escurecer. Alguém arranjou seis ovos crus e colocou as claras num prato fundo. Outros bateram as claras, até alcançar a consistência necessária e aproveitando o sono profundo do Cabudo, baixaram as suas calças e lambuzaram as suas nádegas e outros lugares próximos. Recolocaram as calças e lá ficou o pobre coitado na paz dos desesperados.

O armazém ficou às escuras e, perto das nove horas da noite, a criatura acorda, sente algo pegajoso na parte de trás do corpo. Baixa as calças e constata que alguma coisa anormal aconteceu. Saiu gritando, abriu a porta do armazém e deparou com muitos curiosos que ouviram os gritos.

Parou e disse alto e em bom som:

- FUI DEFLORADO. VOU MATAR QUEM FEZ ISTO COM UM BÊBADO.

Moral da historia: “o ... de bêbado não tem dono”. Contudo, a boa pessoa que atendia pelo apelido de Cabudo deixou a bebida. Criou sua numerosa família. Total recuperação a partir desse acontecimento chocante, mas de efeito rápido e duradouro.

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR

IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com