PADRE SEVERO, MITO OU VERDADE?

Humberto Pinto de Carvalho

O Padre Severo, quando se consulta as fontes escritas, é mencionado como um itiubense inteligente, perspicaz, nascido em família rica, que planejou para si uma vida de sacrifícios dedicada à igreja católica. Rezava a santa missa e se orgulhava de ser Padre. Essa imagem está comprovada em livros, notas, atas e nos fragmentos da história que chegaram até nós.

Um outro Padre Severo é conhecido como aquele que se escondia numa batina para matar, roubar e praticar outros desatinos.

Importante é isolar o mito, que perdura até nossa época, do verdadeiro Pároco.

Falam, até hoje, que a construção, em 1830, do SOBRADO DO PADRE, na Fazenda Tapera, era uma armadilha, uma atração para os incautos viajantes endinheirados que percorriam a Estrada Real. Afirmam até a existência de uma loca profunda, nas encostas da serra, que servia para esconder os mortos despojados das suas riquezas. Não falta quem jure, de pés juntos, que os seus antepassados assistiram e comprovaram esses atos infames.

O Padre Severo, é bom que se esclareça, era um ativo chefe político na região. Também, na mesma ocasião, construiu a casa da Câmara ou da Intendência que podemos comparar as Câmaras de Vereadores de hoje, na Vila Nova da Rainha, hoje Senhor do Bonfim, o que mostra um perfil de homem de bom gosto e empreendedor. Possuia muitas propriedades para criação de gado. Portanto, não era um pobre coitado.

Outros alegam que a própria Igreja Católica, em nome de Deus, expulsou o Padre das suas fileiras. Existe um documento que comprova a expulsão não por ter roubado e matado mas, sim, por desobediência, como também aconteceu com o Padre Cícero, no Ceará. O Padim Cícero reconhecido pelo povo nordestino como Santo, e o nosso Padre Severo apenas é lembrado como mau-caráter.

Não é defesa, não é reparação, apenas a bem da verdade, engrossamos uma pequena fatia de estudiosos que não encontram evidências do monstro vestido de batina preta. Decorridos quase dois séculos não se descobriu a gruta que servia de cemitério para os assassinados. Um lembrete: quando jovens, o Manu, o Banduca, o Zezito e outros formaram uma expedição às tais locas, desceram em algumas, amarrados em cordas, e nada acharam, um osso, um pedaço de ferro, uma espora, que demonstrasse ter sido usada como túmulo pelos asseclas do indigitado Padre.

Outro fato intrigante é um desenho de autor alemão, encontrado pelo Wilton, publicado por volta do ano de 1820, que mostra a encosta da serra do tanque velho, portanto do lado da Estrada Real, um morro e ao lado um casarão com outras pequenas construções, com a seguinte legenda: serra da tiúba, tapera, que bem, poderia ser o PALÁCIO DO PADRE.

É verdade que tem sido encontradas moedas de prata em escavações das ruinas do CASARÃO DO PADRE. É pouco, mas provado fica que o Padre Severo nasceu em berço-de-prata e não de ouro.

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR

IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

 

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho


fpcarvalho@globo.com