DANDUZINHO E OS ANJOS PERDIDOS

Valmir Simões

Chegando, certo dia, à Alfaiataria do Joaõzinho encontrei o Boca, o Zuca e o Pedrinho Capitão. Debaixo do balcão que servia de mesa de corte para os tecidos repousava, tranquilamente, um litro de conhaque Castelo, sal e caju. De vez em quando um abaixava dava uma dentadinha no caju com sal e tome conhaque prá dentro. Todos conversando e dando boas gargalhadas. O Pedrinho, exímio alfaiate, andava prá lá e pra cá, com uma fita métrica no pescoço, cuidando dos alinhavos de um paletó prestes a ser entregue ao dono. Ao lado, um velho ferro de passar, movido a carvão, que necessitava sempre de um sopro dado pela parte trazeira, com a finalidade de manter as brasas acesas. De súbito, aparece cambaleando o Danduzinho do Neném Marceneiro, com um pacote debaixo do braço molhado pelo suor e perguntaram:

- Aí! hem? Ganhou um presente!

Ele retrucou:

- Presente uma ova! Isto aqui são os enfeites para o caixão de defunto que o velho meu pai tá fazendo, pois ainda vai para o Adro na Serra da Itiúba e o enterro é hoje à tardinha. Aproveitou que a bebida era de graça tomou mais umas duas e seguiu lá para a Rua da Estação. Pouco tempo depois chega abafado perguntando se os anjos não tinham caído dentro da Alfaiataria, pois o seu pai estava para arrancar os cabelos dele porque, ao abrir o pacote dos enfeites do caixão, deu por falta dos anjos.

Resultado final: o Edvaldo Andrade havia encontrado os tais anjinhos, nas proximidades da porta da Prefeitura e, por sorte, deu de cara com o Danduzinho que, ao saber do achado, ficou saltitando de alegria e disse:

- Agora, toda vez que for comprar enfeite de caixão, não tem quem me faça tomar nada!

A turma da Alfaiataria deu muita risada do coitado do Danduzinho, que saiu a toda para que o caixão ficasse pronto a tempo.

 

 

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DO AUTOR

IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com