A A r

O Caxixe

Valmir Simões


Itiúba possuia um distrito, naquela época, por nome Picos, muito famoso e bastante conhecido pela produção de uma fruta do sertão chamada de umbu ou imbu. Parece que a terra tinha uma fertilidade diferente das demais, pois as tais frutas eram bem graúdas e de sabor bem adocicado, um motivo para tanta procura. Lá residia um senhor que eu não sabia seu sobrenome apenas conhecia por Oscar dos Picos, ele era uma pessoa bem conceituada na localidade. Um dos maiores fregueses da mercearia do meu pai em Itiúba, funcionário da RFLB (Rede Ferroviária Leste Brasileira), já aposentado. A população de Picos se reportava a ele para qualquer providencia junto aos poderes públicos e este tinha boas amizades com políticos em Itiúba. Certa vez solicitou ao meu pai uma autorização para copiar toda a fachada externa de nossa residência e, inclusive, as divisões internas, pois apreciava muito os detalhes e relevos. Meu pai prontamente disse que não tinha problema algum, então ele trouxe um desenhista de Senhor do Bomfim para efetuar o trabalho, pois pretendia fazer uma réplica da casa em Picos e assim fez. Naquela localidade passou a existir uma casa igualzinha àquela nossa residência na rua da estação, anexa ao Grupo Escolar Góes Calmon. No dia da inauguração foi uma festa daquelas, veio um pequeno caminhão Chevrolet cara de sapo, muito conhecido naquele tempo e levou meus familiares e alguns amigos de Itiúba e lá matou, boi, porco, peru, comida que só vendo. O povo do lugarejo comeu, bebeu, dançou, às custas do Oscar. Até a cor da nova residência era igual a da nossa casa. Em certo momento foi servido em copos um liquido com cor de umbuzada, mas com um sabor muito diferente. Estranhamos e perguntamos o que era aquilo. Ele sorriu e disse: - Vocês da cidade não sabem do que o pobre daqui se alimenta nesta época de umbu, isto é Caxixe ou Caxixa, pois é conhecido pelos dois nomes. Tiram-se os caroços dos umbus, coloca no pilão, juntamente com ouricouri e farinha e esta mistura é o que vocês acabaram de provar. A festança e a fartura acontecem hoje aqui e amanhã esses coitados estarão de novo se alimentando com Caxixe até acabar a safra dos umbus. Será que ainda nos dias de hoje o povo desta região se alimenta do Caxixe? Acredito que não.

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com