A A r

O Diarolou

Valmir Simões


O nome é confuso, uns chamam Diarolou, outros Diabolô, só sei dizer que era uma brincadeira engraçada e que todos que a assistiam admiravam a destreza de quem participava. O brinquedo era composto de duas varetas amarradas nas pontas, entre si, por uma linha usada em prumos de pedreiro. A outra peça era formada por um pedaço de madeira torneada, em forma de pilão e com as extremidades forradas com borracha fina, para amortecer e não estragar a peça quando, por ventura, caísse. O participante segurava nas extremidades das varetas e com o pé levantava o pilaõzinho torneado e no meio cintado a linha se encaixava e com as mãos o participante movimentava-o lentamente, subindo e descendo, e assim ia tomando velocidade e em certo momento acionava as varetas fazendo subir a peça a uma altura de mais de 6 metros e aparava novamente na linha e assim era um sobe e desce constante com velocidade e destreza. Muitas pessoas ficavam a admirar o tal brinquedo. Em Itiúba conheci um craque que era o saudoso Zezito do Cinema, mas eu soube que o Nininho do Alto era outro bamba na brincadeira. Havia outros participantes, mas, nunca iguais aos citados. Tal brincadeira eu só conhecí em Itiúba

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR

 

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com