A A r

Cachorro Doido

Hugo Pinto de Carvalho

 

Havia uma crença na cidade de que cachorros arruinados não morriam de tiros e a morte deles só poderia ser provocada por meio de muitas pancadas nos sofredores animais. A população não sabia que esse era o método de extermínio do animal doente que mais possibilidades trazia de espalhar o vírus causador da doença. A raiva ou hidrofobia é uma doença contagiosa causada por um vírus que provoca encefalite em vários animais domésticos e silvestres e no homem.

Como, naquela época, a incidência de cães raivosos era muito grande na região, a visão de grandes grupos de pessoas armadas de paus, pedras, facões, foices, machados e facas correndo atrás de "cachorro doido" era muito comum.

Ao primeiro sinal de haver contraído a fatal doença, o melhor amigo do homem tornava-se o seu maior inimigo e era caçado e massacrado impiedosamente pelos grupos de extermínio.

Como não existia a Sociedade Protetora dos Animais por perto e nem remédio para tratamento do pobre coitado e como sabiam que ele iria contaminar outros animais e até pessoas, os Itiubenses radicalizavam utilizando-se do método mais brutal e menos recomendável para resolver o problema.

Será que eles estavam agindo certo? Há controvérsias...

."

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com