A A r

A Semana Santa

Valmir Simões

 

Itiúba se envolvia num clima de tristeza quando chegava a semana santa que lembrava os sofrimentos que Jesus Cristo, passou há 2000 anos. No Domingo de Ramos as beatas se dirigiam à Igreja de Nossa Senhora. da Conceição (Padroeira da Cidade), trajando longos vestidos de preferência na cor clara, segurando em uma das mãos um ramo de palmeira e, ao seu lado, a filha, sobrinha ou a afilhada que, mesmo querendo ficar em casa, era forçada a vir para a igreja em trajes respeitosos, nada de manga de fora, com os vestidos cobrindo os joelhos, sorrisos e olhares discretos, pois se iniciava uma semana de profundo respeito e adoração ao Senhor Crucificado.

Segunda, terça e quarta-feira aconteciam as confissões, acompanhadas de vigários que vinham de Queimadas e Bomfim com o objetivo de auxiliar o Padre de Itiúba. Na madrugada da quinta-feira, o respeito pelo dia ficava de lado, pois acontecia a tradicional Serra - Velha que pelo simples soprar do buzo, logo de imediato ouviam-se os tiros de espingarda, correria, risadas e banhos de urinas e fezes dos inconformados pelo tipo de brincadeira. Logo cedo da manhã da quinta-feira, corria o boato sobre quem foi cerrado ou não e quem levou a pior na brincadeira. Neste dia era celebrada a missa de Páscoa e às cinco horas da tarde o Lava-Pés, as mães faziam questão dos filhos tomarem um banho todo especial, esfregando o corpo com sabão e bucha, pois, após os seus pés serem novamente lavados na bacia da igreja, eram enxutos e recebiam um beijo do sacerdote, simbolizando o que Cristo fez com os apóstolos. Após o Lava Pés o Santissimo ficava exposto na igreja e de hora em hora as pessoas alí presentes eram trocadas por outras e assim ia até o dia amanhecer. Vale salientar que eram pessoas de destaque da sociedade local que ficavam ajoelhadas naquelas cadeirinhas de almofada da igreja matriz. Na sexta-feira era rezada a missa de pré santificados, ao meio dia a imagem do Senhor Morto ficava exposta á veneração dos fiéis, às quinze horas a Via Sacra e, logo em seguida, a procissão do Senhor Morto, onde a esquife era conduzida por autoridades locais. Sábado, a queima de Judas, muita bebedeira para comemorar a morte do traidor de Cristo. No Domingo de Páscoa a missa da ressurreição. Naquele tempo algumas pessoas faziam gozações de algumas crendices. Sexo era o maior de todos os pecados e elas diziam na quarta-feira da semana santa: - Fechei o meu balaio e só abro sábado de \aleluia. Usar baton e rouge era sinal de vaidade, tomar banho nu poderia pecar por pensamentos. Hoje em dia a coisa é muito diferente, falta respeito, obediência. VIVA AQUELA NOSSA ÉPOCA.

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com