A A r

A Mulinha do João Martins

Valmir Simões

 

Carnaval e futebol eram duas paixões do saudoso João Martins, pessoa que conheci bem de perto por trabalhar na Leste, próximo a minha residência. Era um festeiro por natureza, sempre estava à frente da formação de blocos carnavalescos, de preferência aqueles que tinham origem na Rua da Estação e Rua São Gonçalo. A mulinha era sua paixão, uma simples armação de madeira fina, acolchoada de sisal e tecido para dar a formação e aparência de uma pequena mula e que tinha no seu dorso um buraco para que o figurante colocasse o corpo e duas correias que serviam como um grande suspensório, preso aos ombros, com a finalidade de sustentar toda aquela armação. Colado ao dorso, saiam duas pernas que eram feitas com meiões de futebol e acolchoados para dar uma aparência semelhante às pernas do condutor. De longe mal se notava serem pernas artificiais. De preferência quem saia conduzindo a mulinha era o João Martins, muito bem fantasiado, roupas com cores berrantes, própria para o dia e a mulinha com a forração toda em chitão com imensas flores. Era muito divertido e já fazia parte do carnaval de Itiúba. Às vezes quando a coisa apertava, isto é, as despesas excediam, eram feitas rifas “Rádio das Moças”, ou os estabelecimentos comercias assinavam o “Livro de Ouro”, colaborando com diferentes quantias para que a mulinha não ficasse ausente do carnaval de Itiúba.

IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com