A A r

O Papafigo

Valmir Simões

 

Papafigo era como chamavam em Itiúba uma figura lendária. As mães faziam questão de repassar as estripulias dessa estranha criatura às crianças, com o objetivo de amedrontá-las para não saírem para a rua. Eu tinha mais ou menos uns cinco anos de idade e só de ouvir falar ficava de cabelos em pé e, de tanto medo, escondia-me embaixo da cama, dentro de guarda-roupa, enfim, onde fosse mais difícil alguém me encontrar.

A lenda era mais ou menos assim: o Papafigo tinha o aspecto de uma pessoa comum, mas, algumas vezes se apresentava como um velho barbudo trazendo um enorme saco de linhagem às costas, pouco aparecia, usava outras pessoas, um tipo de ajudante, para atrair crianças que ficavam brincando na rua ou aquelas que não obedeciam aos pais. Dizia a lenda que para esta pessoa se alimentar e continuar vivendo tinha que sacrificar crianças, retirando o seu fígado. Minha mãe, juntamente com outras mães de amigos meus do mesmo tope, eram avisadas de que o Papafigo havia passado por Feira de Santana onde matara duas crianças e que já estava na cidade de Senhor do Bomfim, procurando meninos para comer o fígado. Para nós era um horror esse tipo de noticia e tínhamos que ficar brincando na sala com portas e janelas fechadas.

Acredita-se que tal fantasia era usada para que as crianças evitassem o contato com pessoas desconhecidas


IR PARA O ÍNDICE DE CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE GERAL
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com