A A r

O Lolotinha e o Cinema

Hugo Pinto de Carvalho

 

O valmir Simões já falou aqui sobre o Lolotinha e sua disputa com o Adelino do Ló para ver quem era mais rápido no carrinho de mão, porém achando que o assunto sobre o moço ainda não se esgotou aí vai mais um caso.

Com suas limitações por causa da "Síndrome de Down" o nosso amigo Humberto Silva ou simplesmente Lolotinha, nem por isto deixava de estar sempre no meio da turma. Como a cidade não tinha nenhuma escola especial infelizmente nao teve a chance de aprender a ler e escrever, porém isto também não o impediu de gostar de cinema. O problema mesmo era que não tinha dinheiro para pagar. Então ele se ofereceu para ser o varredor do prédio do cinema em troca de ingresso, mas nem foi preciso isto porque o Bertinho proprietário do Cine Itiúba lhe ofereceu um "Passe Livre" para assistir qualquer filme que ele quisesse. Na verdade ele gostava mesmo era dos filmes de caubóis e de Tarzã, porém assistia o que passasse, fosse o que fosse... Também, de graça, né?

Eu me lembro que uma de suas manias, justamente influenciado pelo cinema, era imitar os caubóis, utilizando-se de um cabo de vassoura no qual "cavalgava" fazendo gestos com as mãos imitando as armas dos artistas. Também quando estava tenso costumava morder o dedão da mão esquerda. Outra mania era chamar os amigos de "meu fio".

Quando se falava em tomar café ele sempre acrescentava: "meu fio, quer cucuza ou quer biju?". No carnaval se fantasiava de vaqueiro e participava do bloco do "Boi do Alto" como filho do Mateuzinho o vaqueiro-mor intepretado pelo Berega.

Sem dúvida alguma uma figura inesquecível e sua morte prematura antes dos vinte anos deixou todos os seus contemporâneos consternados na época.

 

IR PARA O ÍNDICE DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO

IR PARA O ÍNDICE GERAL
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com