O CASAMENTO E A SERENATA

Fernando Pinto de Carvalho

Ele fazia parte do nossa turma. Quando se casou o grupo resolveu prestar-lhe uma homenagem fazendo uma serenata, na frente da sua casa, na primeira noite do casal.

Ninguém pensou que aquilo pudesse atrapalhar. Achamos até que as canções e boleros muito "bem" cantados por nós, criariam um clima especial para aquela ocasião, tão importante para o nosso amigo.

Depois de cantarmos duas músicas, notamos que a porta da frente da casa dele começou a ser aberta. O Pedrinho Capitão disse: "e.. ele não gostou e vem reclamar".

Outro disse: "acho melhor a gente ir logo embora porque ele vem com alguma coisa na mão". Quando íamos saindo ele chegou e tivemos a grande surpresa. As coisas que ele trazia nas mãos eram garrafas de bebidas. Passamos a noite toda cantando e bebendo pelas ruas da cidade e o recém-casado só foi para casa no dia seguinte, às 8h.

Assim mesmo porque alguém lembrou que ele havia adiado um "compromisso" importante na noite anterior...

 

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com