A A r

Os Borracheiros

Hugo Pinto de Carvalho

 

 
Como até o ano de 1981 a cidade não tinha energia elétrica durante o dia, a vida dos dois borracheiros, PEDRO GROSSO e PRETINHO, não era nada fácil.

Para vulcanizar o remendo na câmara de ar eles improvisavam com uma lamparina tipo candeeiro a alcóol, porém, o pior mesmo era encher o pneu depois com velhas bombas de ar manuais exigindo grandes esforços. Eu ainda me lembro que para encher um pneu de carro (30 libras de ar) qualquer um dos dois batia bomba por quase meia hora. Já pneu de caminhão médio (70 libras de ar) os pobres borracheiros tinham que suar por mais de uma hora.

Não é difícil imaginar que para ser borracheiro naquele tempo tinha que ser também atleta! Já pensou quando chegava um caminhão com dois ou mais pneus furados? E se fossem os pneus das carretas de hoje?

 

 

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com