A A r

Os Vendedores de Ouro

Fernando Pinto de Carvalho

 

 
Não há a mínima possibilidade da atividade deles ser executada hoje em dia. A insegurança atual não permite. Estou falando dos Vendedores de Ouro, pessoas que iam de casa em casa para vender relógios, anéis, pulseiras, brincos, argolas, correntes, crucifixos, medalhas e outras jóias. Sempre bem vestidos e carregando uma enorme e pesada pasta de couro que tinha várias divisórias e compartimentos onde eles acomodavam, cuidadosamente, as suas valiosas mercadorias. Tudo faziam para a concretização da negociação. Trocavam mercadorias, vendiam a prazo, compravam ou aceitavam como parte do pagamento jóias de ouro quebradas e, até mesmo, dentes de ouro.

Em Itiúba residiam dois desses convincentes vendedores. O Isaias Martins, natural do município e o Sr. Maia que, no início, ia apenas para vender as
suas mercadorias, mas, acabou casando e residindo lá. Eles vendiam as suas mercadorias em todas as cidades da vizinhança utilizando-se do trem de passageiros que era o único meio de transporte regular da região, sempre carregando a sua bem sortida e valiosa pasta de couro e nunca foram assaltados. Bons tempos aqueles...

 

SOBRE PROFISSÕES E PROFISSIONAIS LEIA TAMBÉM (Clique nos links abaixo):

- O Pintor Ludugério
- O Engraxate Boca-Rica
- "Seu" Acelino, o Marceneiro
- A Obra do Mestre Sapateiro
- O Garimpeiro Itiubense
- O Joãosinho e sua Alfaiataria
- O Amolador de Tesouras
- O Lambe-Lambe
- O Zé do Quebra-Queixo
- Os Sapateiros
- Os Fogueteiros
- Os Garis
- Os Ferreiros
- Os Médicos
- Os Velhos Motoristas

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com