A A r

A Escola Goes Calmon IV

Humberto Pinto de Carvalho

 

 

 

Sempre recordo o tempo que estudei na Escola Góes Calmon que desde 1926 funciona no mesmo prédio, na antiga Rua da Estação. Lembro dos colegas e das Professoras, em especial D. Celina e D. Hilda Mendonça, minhas únicas professoras que além de bem ensinar, não esqueciam os seus ex-alunos. Quando qualquer um galgava os degraus na dura escada da vida profissional, mesmo depois de aposentadas, sempre nos encontravam pessoalmente, por carta ou telegrama com uma mensagem de incentivos e parabéns.

Nunca fui músico amador sequer. Fui sim corneteiro nos desfiles da Escola nas datas festivas e religiosas. Devo ter sido um aluno com média regular, pois, quando um colega tinha dificuldade no aprendizado elas recomendavam para procurar-me. Naquela época ficava até chateado. Não tinha a percepção de hoje e nem percebia aquele gesto como um referencial.

Para despertar outros alunos a escrever, não só “das Mendonças”, como carinhosamente eram chamadas, vou tentar narrar um fato acontecido.

As aulas começavam às 8 horas, com todos os alunos em pé na sala. O Hino Nacional ou outro era cantado. Aconteceu que um dia choveu muito e as ruas ficaram intransitáveis. Poucos alunos conseguiram chegar ao Prédio Escolar. Fui um que chegou e lá encontrei o colega Raimundo Mutti (depois conhecido como Barateiro). Logo chegaram outros Renato (Quinquim), Milton (Pompilio), Virgilio, Hermes, Augusto Castro, Yara e Ana, que moravam na casa vizinha a Escola (irmãs do Barateiro). Esta última para mim, era exemplo de coragem e disposição, pois, tendo dificuldade para se locomover, usava duas muletas e dispensava qualquer ajuda para chegar a Escola. Sem nada para fazer os meninos convidaram o Raimundo para olhar se a cisterna existente no muro tinha água. Retirada a tampa e verificado que estava seca, pedimos a ele para entrar. Logo que ele entrou, por brincadeira, colocamos a tampa e neste exato instante a Professora chegou e todos nós corremos para a sala de aula. O coitado ficou lá. Neste dia na aula não se cantou nada, apenas, inventamos brincadeiras como passatempo. Dez horas, todos foram dispensados e todos foram para casa. Ninguém se lembrou do Barateiro. Depois que almocei veio o “estalo” e o colega? Corri e no caminho fui chamando os colegas. Puxamos a tampa e lá encontramos o Raimundo quase desmaiado. Final feliz para ele e para nós os aloprados de então.

 

SOBRE A ESCOLA GOES CALMON LEIA TAMBÉM (Clique nos links abaixo):

- A ESCOLA GOES CALMON I (pág.71) - Hugo Pinto de Carvalho
- A ESCOLA GOES CALMON II (pág.74) - Ivan de Carvalho
- ESCOLA GOES CALMON III (pág.141) - Valmir Simões
- O SÁBIO QUITU (pág.80) - Ivan de Carvalho

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com