A A r

O Dinheiro

Humberto Pinto de Carvalho

 

 

 

Estamos escrevendo cada um contando a sua história ou o seu momento inesquecível. Vamos abordar o assunto dinheiro que sempre foi a preocupação do rico e do pobre e que pode enriquecer o Projeto Memória de Itiúba quando algum itiubense lembrar de qualquer episódio relacionado a este assunto.

Lá para os idos do século XVI as moedas que circulavam na Brasil Colônia eram cunhadas em Portugal. Quando da união das Coroas de Portugal e Espanha, gradativamente foram substituídas pelas hispano-americanas que permaneceram em circulação por duzentos anos.

No inicio do século XVII as moedas de “8 reales” hispano-americanos valiam 320 réis. É bom salientar que a unidade monetária era o real, tendo como múltiplos os reais, apelidados de réis. Em 1695 surgiu a Casa da Moeda da Bahia, controlada pela Colônia, que passou a cunhar moedas de 1.000, 2.000 e 4.000 réis em ouro. Em seguida foram criadas as Casas da Moeda do Rio de Janeiro e Pernambuco que por sua vez cunhavam moedas de prata de 20, 40, 80, 160 e 320 réis e a mais conhecida de 640 réis, chamada Pataca. Com a expulsão da Família Imperial (para alguns brasileiros e estou entre eles, ato de vingança política) é instalado a República em 1889. Mudou o regime, mas nada mudou no padrão mil réis. Continuou a denominação e tinha até “um conto-de-réis, valendo um milhão de réis”, coisa para os Barões da época.

Em 1936 ocorreu a última emissão do “mil réis” papel-moeda. Somente em 1938 a Casa da Moeda do Rio de Janeiro passou a cunhar as moedas de níquel em homenagem a Constituição de 1937. As cédulas eram impressas pelo American Bank Note Company até 1947. Em 1948 passaram a ser impressas pela Thomas de La Rue & Co.Ltd. Somente em 1961 é elaborada e produzida a cédula com a estampa de um Índio na Casa da Moeda do Brasil.

Em 1964 o Banco Central fica como responsável pelas emissões e controle do sistema financeiro brasileiro. Em 1966 surge a cédula de 10 mil cruzeiros com retrato do inventor Santos Dumont.

Entre 1967 e 1970, em face da desvalorização do meio-circulante, é criado o CRUZEIRO NOVO. Simples ato burocrático que não resolveu o problema da inflação, forçando nova mudança para o CRUZEIRO que sobreviveu de 1986 a 1989. Todas cédulas foram carimbadas com o novo nome da moeda. Em 1990 é estabelecido o CRUZADO NOVO. Em 1993 veio o CRUZEIRO-REAL. Finalmente em 1994, para controlar os crescentes índices da inflação que chegou a 3.700% ano, apareceu o indexador econômico chamado de URV (Unidade Real de Valor), que manteve o CRUZEIRO-REAL, até julho de 1994. Com o sucesso desta medida os preços se tornaram estáveis, transformando a URV no REAL de hoje. Esperamos que este REAL mantenha o seu real valor no mínimo por duzentos anos, como aconteceu com as moedas hispano-americanas e inspire os conterrâneos a contar algo sobre o vil metal.

 

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com