A A r

Os Sapateiros

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

Até a década de 1960 viviam e trabalhavam na cidade vários sapateiros entre os quais o Sr. Pedro Celestino, estabelecido à Praça da Matriz, o Sr. Brandãozinho da Rua da Estação, o Idalicio e o Sr. Eziquiel da Rua do Chamego e o Sr. Ismael Gonçalves que morava na antiga Praça São Bento (hoje Praça do Vaqueiro) e que, diferentemente dos demais, vendia seus produtos em uma barraca no meio da feira.

Eles fabricavam artesanalmente, inclusive com costuras feitas à mão, e cortando o couro em uma tábua em cima das pernas, desde os rústicos chinelos de arrasto  com um cheiro horrível de couro cru, até sapatos masculinos e femininos com solas mais finas e também botas de vaqueiros e botinas dos coronéis políticos. Com exceção do Sr. Ismael que, como disse, vendia seus produtos na feira, os demais só fabricavam sob encomenda.

Eram pessoas respeitadas e dignas, porém, ainda assim, como brasileiro gosta de colocar apelido em tudo, eram chamados de "Lambe-sola".

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com