A A r

Os Ferreiros

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

 

 

Num tempo em que pouca coisa pronta ou manufaturada era encontrada na cidade, a presença dos ferreiros era indispensável e em Itiúba moraram alguns representantes desta difícil (e quente) profissão.

Para citar apenas os mais conhecidos e populares eu me lembro do Jovino da Rua da Cacimba Funda que era também perito na fabricação de chocalhos e consertos de armas de fogo e ainda fazia  peças de caminhões e consertava as conhecidas portas de ferro das lojas, e o Nininho e seu filho Vadinho que se dedicavam mais à fabricação de instrumentos agrícolas como pás, enxadas, facas, foices, facões, alavancas, ponteiros de quebrar pedras, eixos de carroças e até machados.

As oficinas destes profissionais eram as mais rústicas que se podia imaginar. Uma casinhola de uma porta só e sem janelas com um improvisado forno a carvão assoprado por um arcaico fole de couro de boi, uma pesada bigorna em cima de um tronco de árvore fincado no chão, um grande cocho de madeira cheio de água para resfriar as peças depois de moldadas,  alguns sacos de carvão espalhados por todo lado, várias marretas e muita fuligem no teto. Uma verdadeira bagunça  que no final dava certo.

 

SOBRE PROFISSÕES E PROFISSIONAIS LEIA TAMBÉM (Clique nos links abaixo):

- O Pintor Ludugério
- O Engraxate Boca-Rica
- "Seu" Acelino, o Marceneiro
- A Obra do Mestre Sapateiro
- O Garimpeiro Itiubense
- O Joãosinho e sua Alfaiataria
- O Amolador de Tesouras
- O Lambe-Lambe
- O Zé do Quebra-Queixo
- Os Vendedores de Ouro
- Os Sapateiros
- Os Fogueteiros
- Os Garis
- Os Médicos
- Os Velhos Motoristas

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com