A A r

A Vez dos Cágados

Valmir Simões

 

 

 

 

 

Poucos sabem, mas ele foi o maior criador de cágados de Itiúba e um apreciador da sua saborosa carne que, preparada ao leite de ouricouri, chamava a atenção da vizinhança pelo cheiro que desprendia da panela. Uma pessoa da área jurídica que residia em Queimadas, tinha o cágado como seu prato preferido e os pedaços que achava mais gostosos eram as botas (pés). Sempre era convidado pelo Edvaldo para almoçar em sua residência. O Edvaldo falava da qualidade dos seus cágados sem perceber que o Zuca estava ouvindo tudo e pouco tempo depois saiu de lá para repassar tudo para mim e o Pedrinho Capitão. Combinamos pegar alguns daqueles cágados à noite sem que o dono percebesse. Na hora combinada eu levei um saco vazio de pano para colocar os cágados e nos dirigimos ao local. O Zuca abaixou as costas o Pedrinho subiu nelas e foi levantado e quando saltou para dentro de um canto do muro, na mesma hora gritou: -Me puxa ligeiro, estou atolado dentro de um “borralho” (restos de cinzas). Ele foi puxado imediatamente pelos braços e retirado do sufoco. Ficou com as calças e os sapatos cheios de cinzas. Acredito que haviam queimado alguma madeira e colocaram

 

 

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com