A A r

Os Velhos Motoristas

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

Até a década de 1950 apenas dois motoristas e dois velhos caminhões existiam no município. O  mestre João-Chofer que passou a morar na cidade depois de abandonar o circo em que trabalhava, dirigia o velho Ford F-6  do coronel Belarmino Pinto que era utilizado, principalmente, no transporte de sacas de feijão e milho do seu grande depósito para a estação ferroviária onde seriam embarcados no trem. O Geraldo, ou Giru, como era mais conhecido, dirigia o velho caminhão Chevrolet "cara-de-sapo" do Sr. Antônio Valadares que era utilizado para carregar fibras de sisal de suas fazendas e lenha para as padarias  da cidade.

Como os dois velhos veículos eram do tempo em que as marchas ainda não eram "sincronizadas"  tinham o apelido de "queixos-duros" e somente eles dois conseguiam dirigir os tais mostrengos, ainda mais porque também somente eles dois tinham noção de mecânica para consertar as constantes panes dessas verdadeiras sucatas. 

A gasolina utilizada pelos carros vinha de Salvador de trem, em latas de 20 litros, embaladas de duas em duas, em  caixotes de madeira e era relativamente barata, porém, como os bichos só faziam 4 a 5 quilômetros por litro dá para imaginar a quantidade de caixotes e latas necessários para funcionarem? 

.

SOBRE PROFISSÕES E PROFISSIONAIS LEIA TAMBÉM (Clique nos links abaixo):

- O Pintor Ludugério
- O Engraxate Boca-Rica
- "Seu" Acelino, o Marceneiro
- A Obra do Mestre Sapateiro
- O Garimpeiro Itiubense
- O Joãosinho e sua Alfaiataria
- O Amolador de Tesouras
- O Lambe-Lambe
- O Zé do Quebra-Queixo
- Os Vendedores de Ouro
- Os Sapateiros
- Os Fogueteiros
- Os Garis
- Os Ferreiros
- Os Médicos

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com