A A r

Aquecimento Global

Humberto Pinto de Carvalho

 

 

 

 

Hoje ouvimos em rodas de amigos e lemos em jornais e revistas que o “efeito estufa” ou “mudanças climáticas” ameaçam e encurtam a vida de tudo e de todos na Terra. Algumas pessoas têm consciência do perigo. Poucas ligam para o assunto, como se nada tivessem com isto. No nosso entender temos alguns exemplos em Itiúba, que mostram as alterações do clima na nossa Região. Basta olhar para os três casarões conservados:

Casa do seu Manoel Pinto e do seu Aristides, (a primeiro hoje da família Mauro Simões e a segunda da família Ademir) ambas na Avenida Belarmino Pinto. A terceira (hoje Secretaria de Educação do Município), fica na Avenida Getulio Vargas e pertencia ao seu Filó. Todas com o socovão, um subterrâneo, que fica por baixo do assoalho de madeira, com diversas aberturas laterais para ventilação. E todas tinham o sótão, um pavimento superior, logo abaixo do telhado, adaptado sem muito cuidado para guardar as tralhas dos seus moradores.

São provas que nossa Itiúba há anos tinha clima frio a ponto de preocupar os construtores destas residências grandes e confortáveis.

Lembramos do riacho do Coité que todos os anos sangrava e enchia as cacimbas do Casé, Filó, Aristides e o do Pontilhão, que provocava alagamentos prejudiciais a quem construía casas nas suas margens. O frio do inverno, as enchentes, as safras de feijão e milho desapareceram devagar.

Chegou à hora da consciência coletiva despertar e entender que, o nosso Planeta nasceu e vai morrer. Cabe a nós preservar e não destruir. Não devemos calar como meros espectadores e contribuir para apressar o seu fim.

È um problema que ameaça todos os seres vivos conscientes ou não.

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com