A A r

A Baratinha do Valadares

Valmir Simões

 

 

 

 

 

Nem todo mundo de Itiúba a conheceu. Ela ficava, na maioria das vezes, dentro de uma grande garagem no quintal da residência do seu proprietário. Ele tinha um amor enorme por aquele veículo apelidado de Baratinha. De marca francesa, fabricada pela Citroen, ficava suspensa por pequenos cavaletes de ferro para que os pneus de faixa branca não ressecassem, pois frequentemente permaneciam vazios. O seu proprietário não permitia que nenhum mecânico tocasse a mão no veículo. Ele mesmo vestia o macacão e costumava desmontar o motor, peça por peça, consertando todo tipo de defeito que a mesmo apresentasse. Por diversas vezes o ajudei a esmerilar as válvulas, apoiando entre as mãos uma chupeta de borracha e passando uma massa grossa e outra fina de esmeril em pasta da marca Carborundum. Fiquei um especialista neste procedimento que fazia as válvulas assentarem perfeitamente nos orifícios do bloco do motor. Eu ainda colocava anéis de seguimento nos pistões, presilhas e molas nas válvulas. Fui aos poucos conquistando a sua confiança e aprendi muito com aquele grande mestre.

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com