A A r

O Soldado Paciente

Valmir Simões

 

 

 

 

Nunca maltratou nenhum preso por pior que fosse. Era, na verdade, um vivedor e nada lhe tirava do sério. Cortejava o Pavilhão Nacional em frente a Prefeitura quantas vezes por ali viesse a passar. O Pedrinho Capitão fazia até uma gozação pois esse militar usava chapas de aço na biqueira do coturno para não gastar com facilidade e ao bater continência à Bandeira Nacional, fazia isso com tamanha força que se fosse à noite tirava fogo na calçada. O velho militar chamado de Zé de Souza, ficou lotado em Itiúba, por muitos e muitos anos. Quantas vezes passassea pelas pessoas dava um cordial bom-dia, balançando a cabeça em reverência. Muitos delegados na nossa cidade, ao dar ordem de prisão a algum elemento, dizia: - Sr. Zé de Souza conduza-o ao xadrez. O nosso amigo Pedrinho Capitão gozava com essas palavras, afirmando que o Zé de Souza então dizia ao infrator: - Teje preso, por ordem do sr. Delegado, por favor me acompanhe. Então, com uma das mãos segurava na costura traseira da calça do preso e o conduzia a cadeia pública, situada na Praça Nova.

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com