A A r

Ademar, o Cozinheiro

Herbert Pinto de Carvalho

 

 

 

 

 

Todos as pessoas prendadas, em especial do sexo masculino, por suas habilidades se destacam nas suas tarefas, quando são tradicionalmente executadas por mulheres. Nossa Itiúba nos idos de 1950 conheceu o Ademar uma dessas criaturas, cozinheiro, rapaz alegre, alto, de boa aparência, que tinha uns trejeitos ao falar. E quando alguém criticava, logo respondia que gostava muito do remelexo e arrematava: “você pode ser o tal. Mas, no remelexo-xe-ó-xo eu duvido-de-ó-dó.” E apressado balançava os braços e cabeça, num sinal de puro deboche.

Como profissional era solicitado pelas autoridades locais para cozinhar e arrumar os banquetes, quando das visitas de Governadores a nossa cidade. Lembramos quando o Governador Regis Pacheco ficou hospedado no sobrado do Prefeito Belarmino Pinto. Ele coordenava a equipe, desde a moça que lavava talheres ao garçom que servia as bebidas e os pratos. Nada podia faltar aos convidados e à Comitiva. Era o seu lema, cumprido em todos os detalhes.

Quando tudo terminava, orgulhosamente, esperava os agradecimentos do dono da casa. E ficou deslumbrado, quando o Governador, que permaneceu por três dias em Itiúba, pediu para conhecer o mago da cozinha. Elogiou a organização e as comidas servidas.

Terminada sua missão reunia o seu pessoal de apoio para agradecer e nesta ocasião afirmou que para ali sempre voltaria quando chamado, mas, nunca mais entraria na casa de uma certa Tereza, pois, lá tem lagartixa, “um bicho mole, que quando se chega perto ela se bole toda...”

Pela sua dedicação ao trabalho, continuou organizando banquetes, mesmo que tivesse medo das lagartixas caminhando nas paredes. Coisas da vida de cada um que temos de respeitar.

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com