A A r

Os Aniversários

Fernando Pinto de Carvalho

 

 

 

As comemorações de aniversários, naquele tempo, não eram muitas. Nelas não podiam faltar o chocolate líquido quentinho no bule e servido em xícaras de café, o suco de frutas e o bolo, tudo feito em casa. Refrigerantes eram muito caros e, além disso, só existiam geladeiras nos dois bares da cidade. Os presentes eram coisinhas simples e baratas, como um sabonete ou um perfume. Brinquedos industrializados, mesmo os mais simples, como bonecas plásticas e bolas de borracha, eram coisas raras e quase não chegavam lá. Músicas nos aniversários só quando algum membro da família do aniversariante sabia cantar ou tocar algum instrumento ou quando a família podia contratar músicos profissionais, pois aparelhos de som – chamados na época de radiolas – eram raros e a energia elétrica só estava disponível à noite. Mesmo assim, ou talvez por isso, as crianças transbordavam de alegria e contentamento nessas comemorações. Bebiam chocolate à vontade, comiam grandes quantidades de bolo e brincavam muito, aproveitando-se da liberdade que gozavam, numa época em que as ruas eram delas e não dos veículos. Depois de cantar Parabéns para Você as meninas corriam para a rua e dando as mãos formavam rodas que giravam enquanto cantavam músicas apropriadas para isso. Os meninos brincavam de prender ou de artista de cinema, ou de esconde-esconde. Era um tempo em que crianças com doze ou treze anos de idade ainda eram crianças mesmo.


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com