A A r

O Voto de Chapinha

Valmir Simões

 

 

 

 

 

Antigamente as eleições em Itiúba eram muito diferentes das realizadas nos dias de hoje. Chegavam os caminhões do interior do município carregados de eleitores que tinham o seu domicilio na sede e desembarcavam em frente as casas onde eram preparadas as refeições. Nos quintais dessas casas ficavam diversas trempes de pedra com enormes panelas de barro em fila e várias senhoras cuidando do tempero e do ponto de cozimento, enquanto alguns cabos eleitorais faziam a distribuição das chapinhas com o nome do candidato, colocadas em envelope, sem dobrar. O eleitor era comprado pelo candidato, com comida, transporte, roupas, etc. Era voto comprado mesmo. Conheci os dois partidos mais fortes: UDN e PSD que sempre se defrontavam. Quando passavam as eleições entregavam no armazém do meu pai vários pacotes de chapinhas que não foram utilizadas e que ele agradecia muito pois serviam para enrolar temperos, canela em pau, cravo, pimenta e cominho etc. Ficava o nome dos candidatos sufocados pelo aroma das especiarias. Imaginemos se isto tudo ocorresse nos dias de hoje. Naquele tempo ninguém se preocupava com essas bobagens ( da época).

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com