A A r

A Feira das Guloseimas

Valmir Simões

 

 

 

 

 

Feira livre em cidades do interior é bom de se ver e de se comprar. Realizada, na maioria das vezes, no dia de sábado, nela encontramos uma variedade muito grande de produtos que enchem os olhos dos visitantes. Quem mora na Capital e vai ao interior de carro, procura aproveitar os preços e volta de bagageiro lotado. Naquele tempo, em Itiúba, ainda garoto, corria a feira de ponta a ponta, acompanhado de minha mãe e, se dependesse de mim, compraria uma infinidade de coisas gostosas, pois tudo de bom tinha por lá: rapadura “cerenta” com coco, quebra-queixo, doce de marmelo, goiaba cascão com requeijão, mingau de milho, arroz doce, manuê de milho, mucunzá e muitas outras delícias. A barriga não cabia tanta coisa. O beiju na palha de banana era uma maravilha. Tinha uma senhora que vinha da região da Pindoba e trazia, em um cesto, uma variedade de produtos da mandioca que não chegava para quem queria, tinha um tal de “molhadinho” (Beiju com coco) que era o carro-chefe das suas vendas.

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com