O BOI DA TAPERA

Fernando Pinto de Carvalho

Durante o mês de junho apresentava-se na cidade o famoso Boi da Tapera. Fazia uma exibição muito simples, porém, bonita. Depois de muitas cantigas e danças, o Vaqueiro lutava, lutava, até que conseguia "matar" o boi. Passava, então, a oferecer, de modo engraçado, as diversas partes do animal às pessoas importantes e conhecidas da cidade, sempre procurando rimar. Quando acabava a exibição naquele local, o boi se levantava e partiam para outro bairro onde tudo recomeçava.

Uma certa vez, porém, isso não aconteceu. O boi não se levantou. Chamaram, gritaram, bateram e nada. Resolveram levantar a armação do boi e viram, então, o que havia acontecido. O homem que a carregava estava dormindo, bêbado e ainda com a garrafa de cachaça na mão. Como ele era o único treinado para aquele tipo de trabalho, não houve mais apresentação naquele dia.

 

SOBRE AS FESTAS DE ITIÚBA LEIA:
- A FESTA DA PADROEIRA (pág. 95) - Djalma dos Anjos
- O JARAGUÁ (pág.101) - Valmir Simões
- A FESTA DO CASAMENTO (pág.103) - Valmir Simões
- A FESTA DO CALUMBI (pág.105) - Valmir Simões
- A PROCISSÃO (pág.135) - Fernando P. de Carvalho

IR PARA O ÍNDICE DAS CRÔNICAS DESTE AUTOR
IR PARA O ÍNDICE POR ASSUNTO
IR PARA O ÍNDICE POR AUTOR
IR PARA O ÍNDICE GERAL

 

Veja a próxima crônica

Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com