A A r

Um Violino no Carnaval

Hugo Pinto de Carvalho

 

 

 

 

 

 
 

 

O Sr. Antônio Mota, além de mecânico e encarregado da manutenção do velho motor Caterpillar que gerava  a energia elétrica da cidade, também era um um grande amante da música, tocando seu reluzente e bem cuidado violino nas horas de lazer.
 
Não chegava a ser um ás do secular instrumento aperfeiçoado pelo célebre "Stradivarius", porém, dava para fazer serenatas e participar das músicas sacras no coro da igreja.
 
O espanto mesmo foi quando o cidadão resolveu tocar na orquestra que animava os bailes de carnaval da Sociedade União 2 de Julho, da qual ele era um dos seus diretores.
 
E assim, entre 4 estridentes pistons, 2 trombones, 4 sax-altos, 1 sax-tenor, bateria e pandeiro, o violino do Sr. Antônio Mota fez parte do carnaval dos anos de 1960. Porém, se algum folião ouviu o seus acordes, aí já é outra história...
 

 

SOBRE OS CARNAVAIS DE ITIÚBA LEIA TAMBÉM:

- Bebidas para os Músicos (Fernando P. de Carvalho)
- Lembranças dos Carnavais (Valmir Simões)
- Bendito Querosene (Djalma dos Anjos)
- Monopólio Quebrado (Ivan de Carvalho)
- O Mascarado Misterioso (Hugo P. de Carvalho)
- O Desconhecido (Djalma dos Anjos)
- O Teia (Fernando P. de Carvalho)
- O Cavalo Branco do Carnaval (Hugo P. de Carvalho)
- A Chuva de Pedras (Fernando P. de Carvalho)
- As Pílulas (Valmir Simões)
- O Carnaval daquele tempo (Valmir Simões)
- Careta Malagueta (Valmir Simões)
- Fantasia de Caçador (Hugo Pinto de Carvalho)


 
                                                                    
 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com