A A r

O Comércio de Peles

Valmir Simões

 

 

 

 

 

 

Naquele tempo a nossa cidade mantinha um forte comércio de compra e venda de produtos da região, que eram remetidos por via férrea para a capital do estado. Ainda tenho lembranças de um depósito que fazia fundos com a antiga Usina da Luz. Era um dos maiores compradores de pele de toda a região. Couro fresco de gado, pele de caprinos, ovinos e, imagine, até pele de teiú. Pela lateral de uma padaria, até os fundos desse depósito, as peles eram esticadas com varas e colocadas ao sol para secar e exalavam um mau cheiro atraente para os urubus que ficavam de plantão sobre os telhados. Após alguns dias ao sol essas peles eram arrumadas na forma de fardos e embarcadas em vagões na Estação Férrea, com destino a empresa Rovel, em Salvador, que era ,na época, a grande compradora desse tipo de mercadoria, para beneficiamento.






 

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com