A A r

Esqueceu do Passado

Valmir Simões

 

 

 

 

 

 

Um amigo que saiu da velha Itiúba há muitos anos, quando as coisas não iam muito bem, primeiro pela falta de emprego que a cidade não oferecia aos jovens daquela época, e, também, por saudades dos seus familiares que residiam bem distantes de lá.

Ao chegar enfrentou certa dificuldade, mas em pouco tempo os ventos começaram a soprar a seu favor e dentro de poucos anos casou, prosperou muito, na verdade deslanchou na vida, adquiriu imóveis, sítios, casa comercial em franco desenvolvimento. Certo dia houve uma festa em sua casa e lá para as tantas, ele começava a falar de tudo, menos do seu passado em Itiúba, só que um dos amigos conhecia sua vida como a palma da sua mão, e junto a piscina dizia: - Quem te viu quem te vê hein naninha? Ele não se deu conta da conversa e continuou falando do seu dia a dia e já com a cara cheia de cana, não percebeu depois que seu amigo desaparecera do grupo por alguns instantes. Logo começaram a descer uns velhos objetos amarrados em um longo cordão que saia de uma das janelas do pavimento superior da casa em direção à galera que animava a festa. Surpreso ele disse: - Ôxe! Ôxe que diabo é isso? Na ponta do cordão vinha amarrado uma velha faca de mesa marca “sesam” um fifó com pavio e tudo feito de lata. Ele ficou vermelho de espanto, sem entender como teriam descoberto suas velhas relíquias de Itiúba, do tempo das vacas magras. Mesmo assim mostrou-se assustado fingindo não conhecer aqueles objetos, foi uma gozação geral..

 






 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com