A A r

Itiúba

Egnaldo Paixão

 

 

 

 

 

 

 

A cidade é um vale transmudado em cruz..
Da Piaba à Rua do Fato
o mastro.

Onde descansam os braços
um lado é o Alto do Mingau.
O outro, Galo Assanhado.

A cabeça divina
pende a partir da Rua da Piaba.
O bairro hoje do Projeto Sertanejo é coroa desmanchada
Maltratando aquela gente espinhada...

No tórax abrigam-se a Igreja Matriz
E a tenda do Jipe Sapateiro
Que bebe pinga de pernas cruzadas
Trabalha e toca banjo para os camaradas.

As vísceras do Mestre
São revisitadas por bares lojas
Armazéns e a pensão de Dona Preta
Mulher de fala arrastada
Que nasceu elegante refinada.

Às onze da manhã Belarmino Edvaldo Andrade
Zé Quirino (Oficial da Justiça, aposentado
após esporro de um Juiz que o viu bebendo em dia de trabalho)
Quitu Alfaiate Ademir Simões Beijá Panjanja
Coletores estaduais e carteiros
se dirigiam ao Bar Central de Carlos Pires
e de lá saiam horas depois
todos bêbados para suas casas.

Do sexo inviolado
aos pés cravejados
armazéns de Zé Simões e João de Castro
estação ferroviária armazém de Juca Simões,
o Monumento ao beiju de tapioca,
(que teve início há trinta anos mas não terminaram)
e a Rua do Fato. Rua estreita
e comprida: saci crucificado.
Homogeneidade. Consangüinidade espontânea.
Alcoolismo. Rixas. Amores intensos.
Alma de gente simples. Rua do Fato
enquanto os homens se embriagavam
por não terem o que fazer
as esposas lavavam vísceras de bois
alimento do povo pobre de minha Itiúba.

Rua do Fato abençoada pelas rezas da dona Arcanja.
Respeitada pela valentia de Escurinho.
Alegre pela cantoria ingênua de compadre Pedro Mocotó,
que quase teve o pescoço degolado pelo filho bêbado.
Rua do Fato negócio fechado com João do Bode. Cuidado.
Rua do Fato. Rua do Gato
batizado Ramiro na Igreja da Conceição de Itiúba. Ninguém sabia.
Gato era o seu nome. Foi ele que por mando de sua mãe
que também bebia aguardente forte,
animou uma noite de São João em sua rua,
apenas com um realejo. Mocotó no pandeiro
e Severo cantando enquanto dona Cassimira mãe dos músicos,
distribuía pinga e sorrisos para os convidados

 






 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com