A A r

Maria Pureza

Egnaldo Paixão

 

 

 

 

 

 

Três meses
maridos perdendo as mulheres
namorados namoradas
meninos se masturbando
antes do tempo
cinema fechando
cidade excitada
ninguém na rua
noite parada
que fenômeno é esse?
Três meses.

Três meses
Siboney rumba estonteante
luzes e palco traições imaginárias
noites mirabolantes.
que fenômeno é esse?
Três meses.

Três meses
duas pernas morenas
duas pernas pequenas
duas pernas frenéticas
excitação extrema.
Três meses.

Três meses
rezas contundentes
expulsão iminente
senhoras descontentes
três meses
e agora?

Uma rumba
duas pernas
um bailado sutil
como não se viu.
A pacata Itiúba
se enlouqueceu.
E agora?

Há cinquenta anos
Maria Pureza
no Circo do Pedro Coruja
por três meses
bailou repetidas vezes
e ainda baila
no coração dos homens
que a conheceram
e se apaixonaram todos
pela morena bonita
de pernas roliças
dançando tão bela
(ai, Pulezin
dizia o Beijá)
e a platéia excitada
querendo mais...
que a noite parada
enquanto ela dançava,
parasse pra sempre.

Ai, dança mulher...
dança, Maria.

“... yo te quiero
yo mi muero por tu amor”,
Maria.

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com