A A r

O Rádio Transistorizado

Valmir Simões

 

 

 

 

 

Em razão da falta de energia durante o dia, os nossos conterrâneos Itiubenses à noite colocavam um aparelho chamado de “Tunga” para carregar as baterias de 6 volts, aquelas usadas em automóveis, para terem energia suficiente para ouvirem músicas e noticiários no decorrer do dia: Repórter Esso, A voz do Brasil, etc. Um amigo nosso, inteligentemente, passou a vender rádios transistorizados em Itiúba. Não sei informar se eram montados na cidade, mas foi um sucesso e vendeu mais que farinha na feira. Práticos, funcionavam com pilhas em torno de 4 ou 6 unidades por aparelho, eram acondicionadas em um tubo plástico na parte traseira da caixa de madeira do rádio. Os modelos que eu tenho lembrança vinham na cor marfim, tendo na parte frontal um tecido claro com fios dourados. Virou febre na cidade, quem comprou deu aposentadoria antecipada para os tungas e acumuladores de energia. A sua praticidade e funcionalidade faziam com que o seu proprietário o carregasse para qualquer lugar. Os antigos rádios de válvulas pediram aposentadoria também, para dar vez às novas tecnologias que acabavam de chegar. Quem foi zeloso, acredito que ainda deva possuir esta relíquia em casa, com aquela capinha de tecido, com um canarinho bordado ao lado de notas musicais.


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com