A A r

Tempos de Alegria

Valmir Simões

 

 

 

 

 

 

A criança não esquece

As brincadeiras do dia

Cansada, no colo da mãe

Cochila e adormece

 

No nosso tempo era assim

Pião rodando na mão

Brincando de cabra cega

E se enrolando no chão

 

Saudade daquele tempo

Que não volta jamais

Dos brinquedos inofensivos

Comprados por nossos pais

 

O tempo se encarrega

De provocar a mudança

Eu sempre tive saudade

Do meu tempo de criança

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com