A A r

Lá e Cá

Egnaldo Paixão

 

 

 

 

 

Por quê Itiúba surgiu exatamente no lugar em que está?

As primeiras casas

a primeira igreja

a Sede da Freguesia

foram fincadas lá cima

no topo na Serra.

 

Começou lá

depois desceu?

 

Como foi isso?

 

Reparem que a serra onde tudo começou

é fértil, tem paisagem bonita e clima ameno

que deixa a gente falando manso cheinho de preguiça.

 

Reparem que a serra de Itiúba é...

ninguém a fez, ninguém plantou...

As árvores que dão frutos nasceram por obra

da fertilidade divina, como se ali fosse o Éden.

 

Mas, por quê não crescemos lá?

Por quê descemos para este Vale sem muita saída?

Aqui estamos cercados de serras

com apenas duas embocadas,

porque o resto é fortaleza, esconderijo íngreme

que ninguém vai.

 

Dona Yayá Bebé brigou com a Serra?

O homem que primeiro botou fazenda no vale enchendo-a

de escravos e gado brigou com a Serra?

teve preguiça de subi-la

e viu que aqui para os seus bois era melhor?

 

Não se pode por a culpa na estrada de ferro,

porque a fazenda Salgada é anterior a ela.

 

Por que a Fazenda que virou cidade

não permaneceu livre dessas coisas que existem

quando muitas pessoas se aproximam

e constroem, destróem, limpam, sujam, brigam, amam?

 

Cadê que o Rompe Gibão logo ali pertinho,

não cometeu esse grave pecado de virar cidade?

 

 

 

A fazenda Alto Bonito bem ali, bonita, o nome

já o diz, por quê ficou lá no seu cantinho pobre,

mirrada, quietinha?

 

Agora é que estão de olho nela...

A cidade cresce naquela direção.

É tudo menos complicado pela planura do lugar,

pela amplitude.

 

Afinal estamos saindo da toca,

do bojo...

 

Essa força centrífuga que nos fez descer a montanha...

Não importam outras razões: bois, currais, casa de Dona Isabel,

estrada de ferro...

 

 Essa força forte, indomável corcel rasgando

o ventre veloz do vento vai vencendo tudo,

e  fez esta fortaleza de pedra, areia, homens e idéias,

que a poesia indígena chamou de Tu-yba

na linguagem branca Abelha Dourada,

que tece o mel, mas se atacada, o revide é brabo.

 

 

 

 


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com