A A r

O Sacristão

Valmir Simões

 

 

 

 

 

 

Não sei se nos dias de hoje ainda existe este posto eclesiástico, mas antigamente sim. O sacristão era aquela pessoa encarregada de manter o recinto da igreja zelado, limpo e organizado. Tinha a responsabilidade pela guarda de livros litúrgicos pelas vestes do padre e por tudo que fosse necessário para a celebração de missas, batizados, casamentos, etc. Em algumas igrejas era conhecido como ajudante de missa, onde era chamado também de “Coroinha”. Ficavam por dentro de tudo que acontecia na igreja. Ás vezes sabia mais da vida do pároco do que ele próprio. Ser sacristão, antigamente, era um ato de devotamento religioso e uma alegria para os pais que, na sua maioria, faziam parte de grupos de oração ou da prestação de serviços voluntários para as comunidades. Quando deixavam o posto, a palavra sacristão acompanhava o seu nome próprio por muito tempo ou por toda a vida. Por nossa antiga igreja de Nossa Senhora da Conceição em Itiúba, na minha época, passaram inúmeros sacristãos.


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com