A A r

O Calumbi

Antônio Ricardo da Silva Benevides

 

 

 

 

 

 

O Bairro do Calumbi, em Itiúba, sempre foi considerado o local onde mais aconteciam festas, principalmente quando se tratava de um batizado ou de um casamento. Lá moravam inúmeros músicos, sendo bem conhecido o Verdinho ou Folha, como era tratado pelos íntimos. Verdinho, além de padeiro, era um bom trompetista e, ao cair da tarde, ele se sentava nas pedras sob o grande pé de amêndoa em frente ao casarão de Dona Zulmira, sua mãe, e tocava, com muita maestria, belas canções. Eu, ainda criança, ficava feliz ao ouvi-lo tocar Cerejeira Rosa.

O homem que mais promovia festas naquele bairro era o Pedro da Pureza que, inclusive, era sanfoneiro e suas festas perduravam, na maioria das vezes, por duas noites consecutivas, e lá serviam comidas e bebidas gratuitamente.

A grande maioria dos padeiros de Itiúba, residia naquele populoso bairro e entre eles citamos Seu Odilon, Renatão, Raposa, Mário Quimilas e Elmo Coelho, que faziam os mais gostosos pães de Itiúba.

O bairro, embora bem habitado, era repleto de enormes pedras e muito mato com destaque para os pés de cachorro pelado, uma planta que dá uma espécie de leite cáustico e tóxico.

Na época de carnaval, seus moradores eram os primeiros foliões que integravam a Banda da Bolachinha, comandada pelo maestro Evilásio Mendes.

Era aí, também, que residia a maioria das prostitutas locais, entre elas podemos citar: Maria dos Anjos, Nininha, Joana Preta, Zezé e tantas outras que tanto mereceram, em seu tempo, referências especiais nas rodas da malandragem do nosso torrão natal.


Itiúba do meu Tempo - Fernando P. de Carvalho

fpcarvalho@globo.com